Horóscopo do dia 27/05/2015

Noticia Atualizada em 27/05/2015
Horóscopo do dia 27/05/2015
Foto: Divulgação

Áries

 

Regido pelo planeta Marte, Áries é o primeiro signo do zodíaco e é daí que vem tanto a capacidade que os arianos têm de reagir rápida e automaticamente diante de qualquer situação quanto sua competência para lidar com coisas novas, enfrentar situações de desafio ou participar dos momentos em que as coisas estão começando.

 

Nada deixa os nativos de Áries mais desconfortáveis do que cumprir sempre a mesma rotina ou realizar tarefas que exijam imobilidade e paciência. Para quem nasce no tempo dos começos, tudo é possível, menos esperar. Por terem chegado neste mundo numa época em que os homens tomavam para si a tarefa de pôr a natureza em movimento, os arianos consideram naturais as situações em que o homem é desafiado a transformar as coisas e a criar uma nova ordem. Para eles, as coisas que acontecem na vida ou são estímulos ou são provocações. Nos dois casos existe uma necessidade comum: a resposta precisa ser imediata.

 

Touro

 

Quem nasce no tempo de Touro tem olhos sensíveis à beleza do mundo manifestado e um coração perturbado pela consciência de que ele é passageiro

 

É sempre a nossa parte taurina que nos faz pensar sobre a permanência e a impermanência das coisas. Não é por acaso que o ser humano que melhor falou sobre isso nasceu nesse tempo. Diz a tradição, que Gautama, o Buda, nasceu, morreu e se iluminou numa lua cheia de Touro. Dizem que quando essa lua cheia acontece, o portal que liga o mundo manifestado ao não manifestado fica aberto. É a recordação dessa visão que está sempre interferindo na maneira como os taurinos se relacionam com o mundo e com as outras pessoas. Regidos por Vênus, a deusa do amor, da beleza e da imaginação, eles procuram por ela em todas as coisas e em todos os relacionamentos. Quando não criam beleza precisam estar cercados por ela. Em troca, a deusa faz com que nasçam bonitos ou, pelo menos, charmosos. Para os taurinos, a palavra chave é auto estima. Logo eles, que se preocupam tanto com o valor das coisas, às vezes não conseguem perceber o valor do próprio talento. Quando isso acontece, o mundo perde um artista e ganha um ser humano angustiado, que passa a vida acumulando coisas para compensar a sensação de que está faltando algo. Sob a influência da Vênus da terra, eles são guiados pelos cinco sentidos. E porque amam as sensações, são os primeiros a perceber que, todas elas, quando se estabilizam, desaparecem. Muitas vezes eles são acusados de serem pães-duros, teimosos e possessivos, mas tudo isso muda de figura se a gente compreender que eles são os únicos que já nascem sabendo que a beleza é efêmera e merece ser contemplada.

 

Gêmeos

 

O tempo de Gêmeos é o tempo dos significados. Um tempo mágico em que o homem descobre as palavras e aprende com elas que algumas coisas podem ser símbolos de outras, mesmo sendo completamente diferentes delas.

 

Nesse mundo cheio de múltiplas possibilidades só não se perde quem sabe perguntar e quem tem a coragem de dar nome para as coisas. As pessoas que nascem quando o Sol atravessa o signo de Gêmeos já nascem com a cabeça cheia de perguntas. Para elas, o mundo é parecido com o país das maravilhas. Tudo depende de saber compreender os sinais e achar as chaves certas. Para fazer isso eles precisam se comunicar. Com palavras, com gestos, com cores ou com música. A forma não interessa. O que interessa é a sensação indispensável de compreender e ser compreendido. Regidos por Mercúrio, o ágil mensageiro do Olimpo, os geminianos tem necessidade de estar física, mental ou verbalmente ativos o tempo todo. Por isso, muitos deles parecem nervosos ou inquietos. Frequentemente eles são acusados dos pecados da dispersão e da superficialidade. O que acontece é que eles realmente se interessam por muitas coisas e às vezes não tem tempo suficiente para se aprofundar em nenhuma delas. Por terem um olhar atilado, que registra com a rapidez de um raio todas as alternativas possíveis para uma determinada situação ou para um determinado caminho, vivem se atrapalhando com as encruzilhadas. Não é a toa que os gregos, quando iam viajar, punham pedras nas encruzilhadas para que Hermes (o nome grego de Mercúrio) abrisse os caminhos. Eles sabiam que os caminhos só se abrem quando a gente escolhe um.

 

Câncer

 

Poucas pessoas compreendem o mistério do símbolo de Câncer, o Caranguejo. Um animal que sobrevive graças à casca dura e áspera que protege um corpo tão macio e delicado que não resistiria ao simples contato com a água ou com a areia.

 

A palavra-chave para se penetrar no mundo fechado dos cancerianos é vulnerabilidade. Regidos pela Lua, eles sabem mais do que os outros sobre a necessidade de proteção que é comum a todos os homens. Na época de Câncer, o tempo é marcado pelo ir e vir das marés. É por isso que as pessoas que nascem neste signo tem tanta consciência da passagem do tempo e são tão profundamente afetadas pelo que ele faz com os sentimentos. Não que elas sejam diferentes das outras. Para todos nós, os sentimentos são como as sensações, que só são percebidas quando se alteram. Para todos nós, mesmo o sentimento mais intenso não é o mesmo o tempo todo. O que acontece com os cancerianos é que eles prestam muita atenção nisso e muitas vezes acham que por não ser mais exatamente o mesmo, o sentimento está prestes a acabar. Por isso eles voltam a repetir os caranguejos e tentam andar para trás para ver se conseguem trazer de volta os sentimentos que já passaram. E vem daí a importância enorme que dão à alimentação, uma das mais primitivas formas de demonstrar o amor. A família é fundamental, tanto para o bem como para o mal. Um dos maiores desafios para os cancerianos é se livrar das expectativas da família e construir estruturas emocionais independentes. Muitos procuram ocupações em que possam atender às necessidades dos outros. Os filhos da Lua adoram se sentir necessários. Outros preferem viver no mundo da imaginação e escolhem o caminho da criatividade. Cancerianos dão excelentes escritores. A única coisa que pode atraí-los para fora da casca é a possibilidade de serem amados por muita gente.

 

Leão

 

No tempo de Leão toda a energia da natureza está direcionada para a tarefa de dar frutos.

 

Nessa época, ela está empenhada em mostrar que é capaz de repetir o ato mais nobre de Deus: criar um outro ser à sua imagem e semelhança. É por isso que as crianças que nascem neste tempo já nascem comprometidas com o desafio da criação. Para os leoninos tudo na vida é um teste. Desde bebês eles encaram o difícil desafio de exteriorizar o seu mundo interior e serem reconhecidos por isso. Muitos sentem um imenso prazer com essa tarefa e vão fazer esta exteriorização de forma dramática. Alguns não se contentam com isso e vão se tornar atores para poder fazer a mesma coisa muitas e muitas vezes, com muitas e diferentes personalidades. Muitas vezes eles parecem muito individualistas, mas temos que entender que eles precisam mesmo prestar atenção neles mesmos. Eles só podem criar a partir de um material que está dentro deles. Poucas pessoas conseguem ficar indiferentes ao espetáculo de um leonino exibindo sua radiação solar para uma grande platéia. A arte parece que nasceu para eles. Só ela pode atender à necessidade leonina de estar só e concentrado em si mesmo e ao mesmo tempo produzir uma forte impressão na sociedade.

 

Virgem

 

Se você escolheu nascer na época do ano em que o Sol cruza o signo de Virgem vai ter a vida toda para responder à pergunta de uma esfinge implacável.

 

Ela quer saber em qual atividade você pode se considerar um mestre e quais os resultados que o seu trabalho dá. O segredo dos virginianos é a capacidade que eles tem de ver as coisas pequenas e o compromisso com a perfeição. O signo de Virgem é um dos mais mal compreendidos do Zodíaco. Muita gente que acha que entende de astrologia diz que virginianos são uma gente sem graça, crítica, detalhista... o tipo de gente que passa o dedo nos móveis para ver se tem poeira. Mas basta pensar um pouquinho para perceber que o céu não reservaria 1/12 do seu espaço para esse tipo de mesquinharia. O que acontece com os virginianos é que eles tem uma enorme capacidade de ver os detalhes. Por causa disso, percebem imediatamente e sem fazer nenhum esforço que a faxineira colocou o porta-retratos três centímetros mais à direita do que estava antes. O interessante é que eles pensam assim. Só conseguem compreender alguma coisa depois de uma análise minuciosa. E analisar quer dizer dividir em pequenas partes. Essa maneira de ver as coisas muitas vezes faz deles excelentes pesquisadores ou matemáticos brilhantes. Quando crianças, costumam desmontar os brinquedos para ver como funcionam. Não há nada de destruidor nisso, eles estão apenas ensaiando a fantástica habilidade que vão ter mais tarde para montar, desmontar e consertar as coisas. Para eles o mundo é um enorme quebra-cabeças em que todas as peças precisam estar no lugar certo. Mas, para que possam se sentir confortáveis e bem encaixados neste conjunto, eles precisam se sentir úteis. Mais do que isso. Precisam desenvolver uma habilidade produtiva e se sentir indispensáveis por causa dela. Porque pertencem a um signo de Terra, só dão valor às coisas que possam dar um resultado concreto. Os “São Tomé do Zodíaco” só acreditam no que podem pegar. Até mesmo o amor precisa ser expresso em serviços. Não adianta dizer a um virginiano que você gosta dele. Ele vai querer saber o que você é capaz de fazer por ele.

 

Libra

 

Mesmo quando não conhecem filosofia, os librianos compartilham da visão de um dos mais importantes filósofos da história: Platão.

 

Ele dizia que o que nós vemos do mundo é apenas um pálido reflexo de um outro, de formas perfeitas, que existe num outro plano: o mundo das ideias. Como vivem num mundo imperfeito, os librianos parecem sempre um pouquinho deprimidos. Na verdade, estão decepcionados. E são completamente fascinados por espelhos. Ninguém vê a si mesmo diretamente. O homem só conhece a própria imagem através de reflexos. Reflexos que podem estar num lago, numa vitrine ou, no mais extraordinário de todos os espelhos: os olhos de uma outra pessoa. Essa visão, ou melhor, o tipo de informação que vem daí, acompanha os librianos em todos os momentos da vida. Por isso eles se preocupam tanto com o que os outros vão pensar. Eles sabem o tempo todo qual é o efeito que causam. Daí a fama de vaidosos. Quem não se preocupa com a aparência quando está diante de um espelho? E também a ideia de que eles fazem qualquer coisa para serem aceitos pelo grupo: eles sabem exatamente o que o grupo espera deles. Essa capacidade de saber ler os olhos dos outros às vezes é um obstáculo, mas quando é bem usada, faz dos librianos os melhores diplomatas e os amigos ou companheiros mais gentis de todo o Zodíaco. Como Libra é a casa de Vênus, a deusa do amor e da beleza, e o exílio de Marte, o deus da guerra, eles já nascem pacifistas. Ninguém encarnou tão perfeitamente o ideal libriano como o Mahatma Ghandi, que nasceu no dia 2 de outubro de 1869, e dedicou toda a sua vida a mostrar na prática que é possível ganhar uma guerra com uma proposta de paz.

 

Escorpião

 

Quem nasce no tempo de Escorpião recebe do céu um dom que, se não for bem compreendido e bem usado, pode ser fonte de muita perturbação: a capacidade de perceber a tensão que está dentro das coisas e que vai fazer elas mudarem.

 

Ao contrário de Touro, que se encanta e se apaixona pelas coisas como elas parecem ser, Escorpião é atraído pelo mundo misterioso que existe por trás das aparências. Sempre associado à morte, à violência, ao ciúme e à sexualidade exagerada, Escorpião é talvez o mais mal falado de todos os signos. É possível que a má fama tenha vindo do fato de que, para os povos que criaram a astrologia, essa época do ano correspondia ao outono, o tempo em que a natureza ensina aos homens que morrer é natural. Mais do que natural, é necessário. Por sua oposição ao signo de Touro, que simboliza a Primavera, Escorpião sabe que mesmo as coisas mais perfeitas e belas não vão ser perfeitas e belas para sempre. E pressente o que elas vão ser depois. Touro se encanta com a beleza das flores. Escorpião é apaixonado pelas sementes que só vão mostrar sua força depois da morte da flor. Quem nasce com o sol em Escorpião vê o mundo e as outras pessoas com olhos de raio -X e isso às vezes cria problemas. Como imaginam que todo mundo pode ver o que eles veem, tendem a ser muito fechados. Criam uma verdadeira barreira em torno dos seus sentimentos, que são sempre muito intensos. Eles estão sempre “morrendo” de amor, “morrendo” de saudade, “morrendo” de rir, “morrendo” de raiva. Mas quando a imensa energia desse signo misterioso encontra uma saída construtiva é que podemos avaliar a força de um Escorpião. Uma força como aquela que animou o sociólogo Betinho, o homem que fez da luta contra a morte pessoal um símbolo emocionante da grande luta coletiva contra a morte pela fome e pela miséria.

 

Sagitário

 

No tempo de Sagitário, o Sol pede aos homens que se alegrem e que se ponham em movimento. Por terem escolhido nascer neste tempo, recebem de Júpiter, o mais benéfico de todos os planetas, o melhor presente que um deus pode dar aos homens: o dom da fé.

 

É daí que vem a capacidade de acreditar nos próprios sonhos e a coragem para enfrentar os desafios do desconhecido. Quem nasceu nessa época do ano tem dentro de si a chama sagrada que iluminou todos os grandes filósofos, que impulsionou todos os grandes aventureiros. Não é à toa que foi da Espanha, um país regido por Sagitário, que partiram os grandes navegantes. Protegidos por Júpiter, o pai de todos os deuses, os sagitarianos tem, mesmo sem querer, uma certa “pose”, um jeitão de que já nasceram sabendo de tudo. Quando recheiam essa pose com o verdadeiro conhecimento, se transformam em grandes professores, em líderes com a força de um Churchill, que conseguiu manter alta a moral da Inglaterra arrasada pelas bombas alemãs. Os sagitarianos tem um compromisso com a felicidade, com a alegria de viver. Amam os espaços abertos, os esportes, o sucesso. O problema deles é sempre um só: o exagero. Esperam muito da vida e às vezes se aborrecem com coisas que parecem ótimas para a maioria dos mortais. A única coisa que eles sabem que não sabem é lidar com as frustrações. O dom de Júpiter é a ilusão da onipotência e os sagitarianos se assustam e se irritam quando dão de cara com os próprios limites.

 

Capricórnio

 

A palavra-chave para entender Capricórnio é hierarquia. Em qualquer lugar ou em qualquer situação, as pessoas que nascem nesta época do ano sempre percebem com clareza quem é o melhor, quem é o mais forte, quem é o mais esperto.

 

E o mais importante de tudo: quem é que manda em quem. É claro que, quando são muito pequenos, eles se sentem em desvantagem. E passam o resto da vida tentando compensar esse sentimento. Porque nascem num tempo em que os homens estão em guerra com a natureza, eles tem a impressão que o natural é um mundo que não acolhe, não acarinha. Ao contrário – ameaça e traz desconforto, desafia. No tempo do muito frio ou do muito quente só sobrevive quem é forte, quem é resistente, quem tem coragem para enfrentar a natureza e transformá-la num local apropriado para a vida humana. Aliás, apropriado é pouco - para eles só serve o que é muito bom. Todo capricorniano tem um compromisso com a excelência. Isso não significa que todos estão destinados à vitória e ao sucesso, quer dizer apenas que eles precisam disso para ser realmente felizes. Regidos por Saturno, o deus do tempo, os capricornianos tem muita necessidade de serem respeitados. De serem levados a sério. Como dificilmente as pessoas levam as opiniões de uma criança a sério, eles se sentem muito desconfortáveis na infância. Para eles, o tempo sempre conta a favor. Eles são muito mais adequados para o mundo cheio de exigências e responsabilidades dos adultos do que para a vida alegre e despreocupada das crianças. É por isso que uma máxima astrológica diz que “eles são crianças velhas, e velhos jovens”.

 

Aquário

 

Os que nascem nesta época do ano vão ter que integrar nas suas vidas a contradição interna que marca o destino dos aquarianos.

 

Ricos ou pobres, bonitos ou feios, inteligentes ou burros, todos tem dentro de si uma centelha de rebeldia, uma curiosidade universal e um fascínio pela passagem do tempo. Aquário é regido por dois planetas que à primeira vista parecem antagônicos. É o espaço do céu que Saturno, o deus do tempo e dos limites, tem que dividir com Urano, o senhor do caos e da liberdade. Desse encontro de gigantes podem nascer pessoas diferentes, até mesmo opostas. Se a força maior é de Urano, aparecem os revolucionários, os subversivos, que em qualquer área em que atuem vão se dedicar a recriar o novo. Como Mao Tse Tung fez com a China, como Christian Dior fez com a alta-costura, como Mozart fez com a música ou James Joyce com a literatura. Querendo ou não, os aquarianos desse tipo tem um encontro marcado com uma revolução. Se não estiverem ao lado dela, vão ser vítimas dela. Como Luiz XVI, o rei que acabou na guilhotina. Quando o peso maior é para Saturno, aparecem os aquarianos que vão se dedicar a conservar e a reorganizar tudo o que o tempo traz. Colecionadores, historiados, cientistas, ou ditadores. A psique dos que nascem neste signo oscila entre a contestação e a ditadura. Mas todos tem uma coisa em comum: a necessidade de fazer parte de um grupo, mas participar dele como uma pessoa independente. Por causa da influência de Saturno, sabem que, sob um determinado ponto de vista, todos os homens são iguais, mas por causa de Urano tem a consciência de que nunca existiram nem vão existir dois homens iguais sobre a face da Terra. O destino dos aquarianos é passar de Saturno a Urano. É passar do passado ao futuro sem se preocupar com o presente. Porque para eles, o presente não existe.

 

Peixes

 

Nada mais pisciano do que o verso dos Titãs : “ o acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído...” Muitas vezes, a maneira de ser e de agir dos piscianos parece estranha e incompreensível .

 

Às vezes eles dão a impressão que estão andando sem rumo, outras que não estão prestando a menor atenção às coisas que estão acontecendo em volta. Quando a gente os conhece melhor, percebe que não é nada disso. Eles apenas estão ligados num tipo de realidade que a maioria das pessoas não vê. O signo de Peixes é regido por Netuno, o senhor da inspiração e da sensibilidade. Esse planeta especial governa tudo o que afasta do real, do material e presenteia seus filhos com uma imaginação fabulosa e com o dom de compreender o que os outros sentem sem precisar de palavras. Quando essa sensibilidade é bem canalizada, gera pessoas encantadoras, artistas de talento e curadores maravilhosos. Como são permeáveis ao que se passa no mundo emocional das pessoas que o cercam, os piscianos demoram para separar essas impressões dos seus verdadeiros sentimentos. Estão sempre sendo invadidos por sentimentos que não são seus. Quando esta sensibilidade não encontra uma saída, acaba aparecendo como confusão e instabilidade, se expressando num vago e constante sentimento de culpa e em depressões ou medos sem razão aparente. O desejo de escapar dos limites do mundo material e experimentar outras dimensões da realidade pode levar a uma dificuldade de se adaptar ao real.