As várias formas de comemoração do Dia das Crianças

Noticia Atualizada em 12/10/2017
As várias formas de comemoração do Dia das Crianças
Foto: Arte Divulgação

A data todos os anos é comemorada de todas as formas nos quatro cantos da cidade. A maioria delas com a distribuição de brinquedos e guloseimas.

 

Algumas pessoas benevolentes com ajuda de parceiros, por exemplo, entregam brinquedos na zona urbana e rural, fazendo a alegria das crianças carentes, cujos pais não têm condições de comprar um presente pros filhos.

 

Além da distribuição de brinquedos, os pequenos também podem se deliciar com guloseimas e diversas brincadeiras infantis.

 

Comerciantes e lojistas informaram que o comércio parintinense recebeu uma gama de brinquedos para que os consumidores possam presentear os baixinhos no Dia das Crianças.

 

As atenções dos consumidores são mais voltadas aos brinquedos e bicicletas. O setor de vestuário e eletroeletrônico também ganha seu espaço com as peças de roupas da moda e as mídias digitais que dominam o mercado local, principalmente os fabricados na China.

 

Alguns lojistas como forma de atrair a criançada e os pais ornamentam as dependências dos estabelecimentos com personagens de desenhos animados.

 

Outros comerciantes preferem chamar atenção fazendo a exposição de pessoas vestidas de palhaços e personagens diversos. Uma parcela da clientela reclama do aumento nos preços dos produtos e artigos. 

 

As bicicletas infantis, por exemplo, são as mais procuradas, porém os preços assustam. Há preços para vários modelos existentes no mercado que variam de R$ 150,00 a R$ 660,00 o preço de uma bicicleta para adultos.

 

Para quem não consegue presentear o filho com uma bicicleta, recorre aos brinquedos que também estão com os preços salgados.

 

Desigualdade

Enquanto milhares de crianças terão a garantia que vão receber algum tipo de presente no Dia das Crianças, uma parcela de crianças apenas sonha ter um brinquedo ou uma peça de roupa como garantia no seu dia.

 

Nas famílias mais humildes, principalmente dos bairros periféricos, crianças além de sonharem ganhar um simples brinquedo, também sonham em ter um prato de alimento no seu dia.

 

Para a família de uma dona de casa moradora da Rua 10 do Bairro União que não quis ter o nome revelado, o Dia das Crianças para os seus filhos não será um dos melhores em virtude de está desempregada.

 

Para a doméstica o melhor acima de tudo é saber que os filhos estão com saúde, mas lamenta que as decepções enfrentadas na vida machucam e causam dor. Outras crianças que aguardam um presente e que pode não chegar pertencem a uma família residente na invasão do Pascoal Alággio.

 

Os pais das crianças estão desempregados e sem condições de comprar um brinquedo para a caçula da família que está com oito anos e ainda vivem o drama de deixar a pequena casa de madeira nos próximos dias. 

 

Esse drama é vivenciado por inúmeras famílias carentes em datas comemorativas como: no Dia dos Pais, Dia das Mães, Natal e Ano Novo, porque não possuem renda mensal acima de R$ 300,00.

 

Muitos rezam para que o poder público, instituições ou pessoas benevolentes distribuam gratuitamente brinquedos para os filhos nos bairros.

 

Fernando Cardoso | Repórter Parintins