Proebom busca apoio para continuar com atividades

Programa Educacional Bombeiro Mirim quer firmar parcerias para continuar ajudando dezenas de crianças e adolescentes a sair da ociosidade

Noticia Atualizada em 12/10/2017
Proebom busca apoio para continuar com atividades
Fotos: Fernando Cardoso

Funcionando suas atividades em meio as dificuldades, mas com atenção da Justiça através da parceria com o Juizado Especial Cível e Criminal, o Programa Educacional Bombeiro Mirim (PROEBOM), executado pela 3ª Companhia Independente de Bombeiros Militar de Parintins (3ª CIBM), quer firmar outras parcerias para continuar ajudando dezenas de crianças e adolescentes a sair da ociosidade.

 

"O Proebom se mostra como um programa de uma importância educacional para a 3ª CIBM, para as famílias e para a sociedade parintinense, porque já mostrou a sua eficiência, mas precisa de apoio para continuar sobrevivendo integrando crianças e adolescentes no âmbito social e educativo", ressalta o coordenador sargento Almeida.

 

O programa que socializa crianças e adolescentes criado em 2003 no município parintinense pelo ex-comandante da 3ª CIBM, tenente Sulemar, ganhou destaque pela sua forma de atuar, inclusive, foi transformado em Lei Estadual pelo presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa do Amazonas (ALEAM), o deputado estadual Cabo Maciel (PR), por entender que o Proebom é uma forma de agregar crianças e adolescentes com atividades educacionais, patrióticas e sociais, além do combate a ociosidade e o vício das drogas.

 

O Comando do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM) reconhecendo a importância do Proebom montou uma equipe para buscar parcerias empresariais na capital com objetivo de manter os programas em Parintins, Tefé, Itacoatiara, Iranduba e Rio Preto da Eva, principalmente com a compra de fardamentos e alimentação.

 

Em Parintins o projeto Bombeiros Mirins, embora tenha uma importância gigantesca na inserção social, educacional e recreativa não recebe atenção do poder público, e segundo o sargento Almeida nem se manifestou se há interesse em ajudá-lo, diferente da administração do município de Tefé que conta com a parceira integral da Prefeitura e outros órgãos.

 

O Proebom parintinense integra 116 crianças e adolescentes de ambos os sexos, os quais recebem noções de atendimento pré-hospitalar, rapel, natação, salvamento em altura, combate a incêndios, formação em cidadania, atividades de campo como aprender a fazer fogo com uso de materiais diferente do uso diário, construção de abrigo, armadilhas para captura de pequenos animais, coleta de alimentos extraídos da selva e atividades de sobrevivência num ambiente de selva.

 

Para os pais, manter os filhos no Proebom é motivo de satisfação mesmo em meios as dificuldades e a crise financeira. Um exemplo, a doméstica Renata Guimarães de Souza, mãe de aluno do Proebom, enfatiza que o trabalho desenvolvido pelo programa transformou a educação do filho de 10 anos. 

 

A cidadã ressalta que não mediu esforços para comprar o fardamento do filho avaliado em R$ 180,00 ressaltando que o garoto teve uma mudança de vida e no comportamento. 

 

"O projeto transformou meu filho pra melhor. Espero que no futuro ele possa se tornar um grande bombeiro militar, ou seguir uma carreira similar", disse.

 

O comandante da 3ª CIBM, tenente Francisco Amorim, ressalta que a parceria com a repartição judiciaria (Juizado Especial) tem sido valiosa porque vem ajudando o programa se manter ativo por meio de entrega de cestas básicas e dinheiro doados pelas pessoas condenadas por cometerem algum tipo de infração, e como pena, o Juizado sugere a transação penal.

 

Fernando Cardoso | Repórter Parintins