Residencial Parintins pode ser ocupado com reintegração de posse no Pascoal Alággio

Noticia Atualizada em 09/10/2017
Residencial Parintins pode ser ocupado com reintegração de posse no Pascoal Alággio
Foto: Fernando Cardoso

Famílias que ocupam lotes de terras no Loteamento Pascoal Alággio desde junho do ano passado ameaçam invadir as casas que ainda não foram entregues do Residencial Parintins, localizado na comunidade suburbana do Macurani, se forem retiradas na ação de reintegração de posse da área de terra programada para acontecer na próxima segunda-feira (16).

 

São mais de 500 unidades habitacionais das 890 que estão abandonadas, algumas totalmente prontas, enquanto outras ainda faltam os trabalhos de finalização.

 

Na área da invasão do Pascoal Alággio ninguém ainda prefere comentar publicamente a intenção de ocupar as casas do Residencial Parintins, mas uma suposta lista das famílias que poderiam aderir ao movimento já circula entre os sem terras.

 

Invasão do Castanhal

Temendo serem surpreendidos com uma possível reintegração de posse na Invasão do Castanhal, os ocupantes de lotes reuniram na semana passada e decidiram fazer uma manifestação pacífica no dia do aniversário de Parintins, dia 15 de outubro, para cobrar da municipalidade um posicionamento de legalização dos lotes de terras ocupados por mais de 50 famílias.

 

Reintegração

O Comando da PM e o oficial de justiça Luiz Pontes mantêm o dia 16 de outubro como o “Dia D” para a reintegração de posse da área de terra do Loteamento Pascoal Alággio determinada pela Justiça através de “Tutela Provisória de Urgência” expedida no dia 20 de maio deste ano.

 

De acordo com o Comando do 11º Batalhão de Polícia Militar de Parintins (3º BPM) a desocupação vai acontecer como determina a Justiça.

 

Na manhã desta segunda-feira (09), o oficial de justiça Luiz Pontes informou que a reintegração da área ocupada está programada para o dia 16, inclusive, no dia 14 (sábado), a tropa especializada da Polícia Militar chega a Parintins para iniciar o planejamento de retirada dos invasores.

 

O comandante da PM, Major Morrilas, está na Capital para acompanhar o processo e tratar de assuntos referentes ao Batalhão da PM.

 

No dia 8 de maio, uma equipe do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Amazonas veio a Parintins para fazer o reconhecimento e levantamento da área ocupada irregularmente nos loteamentos Pascoal Alággio e Lady Laura.

 

A equipe especializada em reintegrações de posse comandada pelo capitão Richard, veio orientada a não conceder entrevistas. O Batalhão age com medidas de ordem pública em situações extremas, entre elas, reintegrações de posse em invasões com um efetivo de 70 homens treinados para situações extremas.

 

A determinação manda que caso haja instalações no local, está autorizada a remoção e, caso impossível a sua destruição. Para o cumprimento da ordem é requisitado aparato policial para garantir a ordem.

 

Uma equipe do 11º BPM está de prontidão, inclusive, sempre indo até a ocupação para verificar como anda a movimentação dos sem tetos. Paira informações que a reintegração pode abranger o Loteamento Lady Laura.

 

No município ocorrem com freqüência invasões, que após consolidadas se transformam em bairros sem os mínimos cuidados por parte da municipalidade, alguns citam que por trás das invasões de 1990 (Itaúna I e II), 1997 (Paulo Corrêa), 2011 (União), 2015 (Gleba de Vila Amazônia) e 2016 (Lady Laura, Castanhal e Pascoal Alággio), supostamente existe uma indústria de invasão no solo parintinense.

 

Fernando Cardoso | Repórter Parintins