O Desencantamento com o Brasil

Noticia Atualizada em 13/08/2017
O Desencantamento com o Brasil
Foto: Arquivo Pessoal

* Victoria Angelo Bacon

 

No clássico “Raízes do Brasil”, o historiador Sérgio Buarque de Holanda, ao falar do homem cordial como uma marca indestrutível do caráter brasileiro (cordial não quer dizer para ele bondoso, mas retrata principalmente os que agem movidos pela emoção e não pela razão), desdobra-se também sobre o que chama de “personalismo” do cidadão brasileiro. No Brasil, diz Holanda, as pessoas cultuam o mérito pessoal (é o popular “cada um por si”), em vez do trabalho coletivo. O individualismo exacerbado se reflete, na análise do historiador, em organizações sociais e governos frágeis.

 

De Collor aos Anões do Orça­mento, dos Anões do Orçamento ao mensalão, e do mensalão ao petrolão, foram 25 anos (bodas de prata!) em que escândalos de corrupção deceparam presidentes, cassaram parlamentares, arruinaram reputações — mas também fizeram luzir no horizonte um raio de esperança. O Brasil, que com Collor foi ao fundo do poço, mais para baixo não poderia ir. E, no entanto, vieram os Anões do Orçamento.   

 

Chega, indicava a seguir a esperança, essa teimosa; agora a política brasileira há de se emendar. E, no entanto, veio o mensalão. Depois do mensalão, ao qual nada, de mais amplo e profundo, poderia suceder, veio o petrolão, mais amplo e profundo. E no transcurso do petrolão, desdobramento após desdobramento, vem agora, sucedendo ao assombro das delações da Odebrecht, que nada podia superar a delação de Joesley Batista, dono da tentacular JBS, e põe por um fio a sobrevivência do governo Temer que sobreviveu por um desencantamento da Nação com aqueles que o salvaram.

 

Falar mal do Brasil é um dos esportes preferidos da nação. Sempre foi assim. Sobre o País, o jurista, político e escritor Ruy Barbosa disse o seguinte lá no século XIX: “De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar diante da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.” O que Barbosa disse não é muito diferente do sentimento de desencanto revelado pelos brasileiros na pesquisa da BrandAnalytics.

 

“Se para a corrupção não há punição, a sociedade acaba se acostumando com as transgressões diárias das leis”, diz o economista Gil Castello Brasil, da Ong Contas Abertas. “Mudar essa cultura depende de um longo processo de educação. Nesse sentido, mostrar-se insatisfeito e indignado é bastante positivo.”

 

Os últimos bastidores do Brasil revelara-nos o quanto o descrédito nas instituições está em alto. Do Pode Judiciário até o “fura fila” do banco, as instituições e as pessoas estão fadadas a um país que se transformou num labirinto de incertezas onde o Mundo não se importa conosco porque somos o resultado da nossa própria desgraça. Como o “fura fila” cobrará postura de um deputado que votou a favor de Michel Temer no último dia 02 de agosto, se ele também faz parte de um sistema tão corruptível que leva as futuras gerações a cada dia desencantar-se com essa tão amada e tão judiada pátria Brasilis”.

 

* Secretária Executiva e Jornalista da Fundação Universidade Federal de Rondônia.