Voto tem consequência

Noticia Atualizada em 13/06/2016

O voto não tem preço, tem consequência. Com essa máxima, a Justiça Eleitoral tenta sensibilizar, conscientizar e orientar para a compra e venda de votos. Mesmo com as campanhas educativas, a menos de quatro meses das eleições para a escolha do prefeito e os onze vereadores do município de Parintins, muitos pré-candidatos já começaram a intensificar suas aparições em reuniões, programas de rádios e TV.

 

Com a intenção de ocupar a chapa majoritária na campanha deste ano, pelo menos sete pretensos candidatos estão escancarando o processo eleitoral antecipado. Muitos até usam como argumentos a críticas com mais afinco contra as ações da atual administração.

 

Outros, entretanto, preferem outras táticas ao invés de apresentar denúncias do descaso da administração municipal, acabam utilizando os programas de rádio e TV para apresentar somente o “rame-rame”. Ou seja, pra eles o que importa é aparecer na tela da TV ou serem ouvido nas rádios, apesar de somente “encher linguiça”.

 

Diante da retórica que surge com facilidade em cada pronunciamento de pré-candidatos, é preciso ter atenção a estes atos, para que não extrapolem o campo do mero proselitismo político ou promoção pessoal e passam a ser considerados propaganda eleitoral antecipada.

Sem exceção, entre os pretendentes ao cargo de prefeito a partir de 2017, a regra geral adotada é nunca realizar pedido explícito de votos antes do dia 16 de agosto de 2016. Sendo assim, tomando este cuidado básico, o pré-candidato estará bem prevenido contra as eventuais acusações de prática de propaganda eleitoral extemporânea.

 

O que se observa é um intenso corpo-a-corpo em busca de votos, porém, como a própria legislação eleitoral não proíbe mencionar que a pessoa é pré-candidato, a maioria dos partidos políticos, contam com filiados que se arvoram a anunciar suas candidaturas. Cabe ao eleitor analisar.