Invasão, uma prática recorrente

Noticia Atualizada em 31/05/2016

A prática, um tanto antiga, de invasão de terras públicas e de particulares por pessoas incentivadas possivelmente por políticos e pretensos candidatos a cargos eletivos é um tema recorrente e deve ser tratado com a atenção necessária pelas autoridades competentes.

 

A justificativa da falta de emprego para ocupar áreas que são de uso coletivo não funciona mais. O município de Parintins assistiu esta semana mais um capítulo dessa novela quando um grupo de cerca de 200 pessoas, entre homens e mulheres, decidiu tomar para si uma área da administração municipal, localizada no bairro União.

Sem ao menos se importarem se o terreno, que por sinal é de área degradada e alagadiça, conta com algum projeto de revitalização para a construção de praças e espaços de lazer, os moradores resolveram tomar de assalto o terreno. Tudo isso feito na marra, como se o munícipio tivesse virado uma cidade sem lei, onde qualquer pessoa acredita que pode tomar na força a terra.

O fato é que a invasão de terras está tomando proporções preocupantes no bairro União, ao ponto de outros grupos de moradores se unirem e invadirem até mesmo o terreno próximo a área já invadida, inclusive do bombeamento inacabado do SAAE.

 

Sabemos que todos os pais de famílias que estão desempregados têm o direito de buscarem uma fonte de geração de renda para o sustento de sua família, porém devem entender que o direito de cada um acaba quando o direito coletivo começa, como direito a uma área para construção de espaço de lazer. Entretanto, há uma informação de que a orientação para a ocupação no bairro União teria conotação política. Cabe às autoridades públicas apurarem essa informação.