Garantido promove oficina cênica para atores e figurantes de figura típica regional

Noticia Atualizada em 24/05/2016
Garantido promove oficina cênica para atores e figurantes de figura típica regional
Fotos: Marcondes Maciel

A preparação do grupo do cênico da alegoria Figura Típica Regional do Garantido inicia com as oficinas de expressão corporal, marcação de tempo e espaço. O grupo conta com participação de 300 atores voluntários e tem a coordenação de Clodoaldo Oliveira, Dé Monteverde e Arlindo Gudão. Os ensaios acontecem às 18h, de segunda a sexta-feira, na Universidade do Folclore Centro Educacional “Paulinho Faria”.

 

Os atores e figurantes comporão o quadro artístico da alegoria figura típica regional com o objetivo de recriar o ambiente regional nas três noites de apresentação na arena do Bumbódromo. Para o projeto “Celebração 2016”, a coordenação de cênica de figura típica aperfeiçoou as técnicas de encenação e conta o um contingente maior para uma apresentação mais impactante.

 

De acordo com o coordenador de cênica de figura típica, o professor Clodoaldo Oliveira, o grupo de atores conta com a participação de gente simples do povo que deixa seus afazeres diários por algumas horas para se dedicar aos ensaios da teatralização que será apresentada no Festival Folclórico de Parintins 2016.

 

Clodoaldo explica que o principal papel dos participantes é incorporar os personagens com os mais variados biótipos da região moldados através da miscigenação entre negros, brancos e índios. “Eles retratam a identidade do homem regional, nas mais diversas atividades do homem da floresta, como coletor de produtos naturais ou de produtores agrícolas e pecuária. Tudo isso no espetáculo montado na arena”, ressaltou.

 

Ele explica que as figuras humanas da região estão representadas especificamente no caboclo dos beiradões dos rios, no juteiro da várzea, no seringueiro dos centros das florestas, no pescador dos lagos centrais, nas camaroeiras da pesca de camarão do rio, no piaçaveiro coletor de castanha da Amazônia, que sobrevive essencialmente do extrativismo, atividade que acabou determinando vários tipos humanos da Amazônia.

 

De acordo com coreógrafo Dé Monteverde, o grupo de cênica da figura típica regional é mais um contingente entre vários de 12 alegorias, responsável em formatar a participação humana na arena do Bumbódromo no espetáculo Celebração 2016. “Os atores irão interagir com as alegorias para compor a grande cenografia dos espetáculos do boi”, conta, sem revelar os detalhes, que devem ser guardados em segredo até as apresentações no Festival de Parintins em 2016.

 

Entretanto, destaca Dé Monteverde, com o grupo humano devidamente caracterizado, todo o contingente dará vida às alegorias, criando uma ambientação cenográfica específica para o quadro de um ambiente regional, concebido por módulos montados na arena, numa projeção artística do folclore e do universo cultural dos povos amazônicos.

 

Texto e Fotos: Marcondes Maciel (Assessor de Imprensa do Garantido)